Hora no metrô de Londres tão ruim quanto um dia no trânsito


LONDRES (Fundação Thomson Reuters) – Os níveis de poluição no sistema ferroviário subterrâneo de Londres são tão altos que uma hora de viagem é o mesmo que passar um dia inteiro no tráfego, descobriu uma nova pesquisa.

Em algumas estações de metrô, o ar pode ser até 50 vezes mais sujo do que na rua, com poluição particularmente ruim em linhas que percorrem um longo caminho sob a cidade, descobriu o estudo, encomendado pela Transport for London (TfL).

"Concentrações em massa de PM nas plataformas nas linhas de metrô de Londres são tipicamente muito mais altas do que no ar ambiente", disse o relatório, referindo-se à concentração de partículas minúsculas venenosas no ar.

Quase 9.500 moradores de Londres morrem prematuramente a cada ano como resultado da exposição prolongada à poluição do ar, mostrou um estudo de 2015 realizado por pesquisadores do King's College, em Londres.

O metrô de Londres é o mais antigo do mundo e algumas de suas 11 linhas e 270 estações datam de 1863 – uma provável causa de alta poluição, já que "túneis profundos e mal ventilados" fazem parte do sistema, segundo o relatório.

O ar puxado para dentro da rede de túneis é contaminado pelo desgaste dos componentes ferroviários, como rodas de trem e blocos de freio, disse.

Na estação mais funda, Hampstead, a concentração de PM 2.5 – as partículas menores que causam mais danos porque penetram na corrente sanguínea – foi em média 492 em um período de 10 dias em 2018.

Isso se compara com uma média de apenas três na Escócia rural e 16 em uma movimentada estrada de Londres. As diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendam que os níveis de exposição não excedam uma média diária de 25.

Globalmente, a poluição atmosférica mata cerca de 7 milhões de pessoas todos os anos, de acordo com a OMS. A exposição a longo prazo pode afetar os sistemas respiratório e inflamatório humano e levar a doenças cardíacas e câncer.

O relatório, publicado na quarta-feira, disse que não há informações suficientes para avaliar os efeitos da exposição à poluição subterrânea nos passageiros, mas os riscos à saúde não podem ser descartados.

"Dado que há fortes evidências de que tanto a exposição de longo e curto prazo aos poluentes de partículas no ar ambiente são prejudiciais à saúde, é provável que haja algum risco para a saúde associado à exposição a PM subterrânea", disse.

No entanto, os autores disseram que não acreditam que viajar representa um sério risco.

Peter McNaught, diretor de operações de ativos da TfL, disse que a empresa está comprometida em manter o ar mais limpo possível.

"Nós monitoramos de perto os níveis de poeira no tubo e, através de uma ampla gama de medidas, garantimos que os níveis de partículas estão dentro das diretrizes da Health & Safety Executive", disse ele em um comunicado.

"Nós já aprimoramos nosso regime de amostragem incluindo testes para metais adicionais e continuaremos a investigar maneiras de manter a poeira e as partículas em um mínimo absoluto".